Glândulas adrenais ou suprarrenais

As glândulas adrenais ou suprarrenais se localizam logo acima dos rins. Essas pequenas glândulas chegam a pesar não mais que 10g na fase adulta, mas são responsáveis pela produção de uma série de hormônios ou neurotransmissores. Têm duas principais regiões que produzem diferentes substâncias: o córtex e a medula.

Córtex adrenal

O córtex adrenal produz três principais tipos de hormônios esteroides a partir do colesterol

  • Mineralocorticoides – o principal representante é a aldosterona, que é responsável pelo equilíbrio do sódio e pótássio no corpo. São importantes para manter o volume de água e sódio no organismo e, consequentemente, a pressão arterial;
  • Glicocorticoides – o cortisol é o principal hormônio glicocorticóde e está envolvido na homeostase da glicose e de outras substâncias. É também um hormônio liberado de forma crônica em situações de estresse;
  • Andrógenos – a dehidroepiandrosterona (DHEA) e a androstenedona produzidas são precursores de hormônios masculinos . Esses precursores vão ser convertidos em outros locais em testosterona e estrógeno. Lembrando que a principal produção de hormônios sexuais é feita pelos testículos e ovários.
Hormônios produzidos pela glândula adrenal
Hormônios produzidos pelo córtex e medula da adrenal

Hormônios esteroides adrenais

Os hormônios esteroides adrenais e sexuais são produzidos a partir do colesterol. Eles têm estrutura molecular muito semelhante, o que dificulta para distingui-los nos exames laboratoriais. Essa semelhança também pode fazer com que se um tipo de esteroide estiver em excesso, ele estimule o receptor de outro hormônio esteroide de uma categoria diferente.

Medula adrenal

A medula adrenal produz adrenalina e noradrenalina (catecolaminas), que são hormônios liberados na fase aguda do estresse: na reação de luta ou fuga. Faz parte do sistema nervoso autônomo, ou seja, não está no controle da nossa vontade. As catecolaminas também são produzidas em outros locais do sistema nervoso autônomo.

Sistema nervoso autônomo

Várias são as doenças ligadas a disfunções dessas glândulas. Por exemplo, o excesso de mineralocorticóides e de catecolaminas (feocromocitoma) podem produzir quadros de hipertensão arterial que não responde aos tratamentos convencionais. Excesso de cortisol pode levar ao que denominamos de Síndrome de Cushing, doença que tem um quadro clínico muito exuberante, com obesidade, diabetes, hipertensão, fragilidade e estrias na pele e fragilidade óssea. Já o excesso de adrógenos adrenais pode levar a quadros de aparecimento de caracteres masculinos em mulheres ou problemas na diferenciação dos órgãos sexuais e genitália do feto quando há problemas genéticos envolvidos.

A deficiência de produção hormonal também pode levar a quadros diversos. Por exemplo, a deficiência de mineralocorticoide e glicocorticoide pode evoluir com quadros de pressão arterial baixa.

Não é raro que a adrenal seja local de desenvolvimento de tumores. Esses tumores geralmente são descoberto ao acaso, situação em que chamamos de incidentaloma adrenal.

A endocrinologia é a especialidade que estuda essas glândulas tão pequeninas, mas gigantes na sua importância desde o desenvolvimento fetal até a fase adulta.

Obrigada por chegar até aqui. Espero que continue explorando o blog.
Não sei se você percebeu, mas não há anúncios em nenhuma das minhas páginas. Optei por assim deixar para tornar sua leitura mais agradável.

Todo conteúdo é gratuito! Contudo, se você deseja contribuir com o meu trabalho para que ele se mantenha e evolua, ou como forma de agradecimento, doe qualquer valor clicando aqui ou no botão abaixo.

Se você não tem como ou não deseja fazer uma doação, não tem problema! Há outras formas contribuir, como deixando o seu like, comentário ou compartilhando esse conteúdo.

Mais uma vez, obrigada!

Suzana

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.