Qual a relação entre obesidade e câncer de mama?

Qual a relação entre obesidade e câncer de mama?

Após a menopausa, quando os ovários param de produzir hormônios (estrógeno e progesterona), a gordura se torna a fonte mais importante de estrógeno. As mulheres obesas têm mais gordura corporal e, portanto, seus níveis de estrógeno são mais altos. Isto pode levar a um crescimento mais rápido de tumores de mama que têm receptores para estrógeno na sua superfície.

obesidade ca mama mecanismo .001
Mecanismo proposto para aumento do risco de câncer de mama e endométrio na obesidade

O tecido gorduroso expressam as enzimas aromotase e 17β-hidroxiesteróide desidrogenase (17β-HSD). Em indivíduos obesos, há  uma conversão aumentada dos andrógenos Δ4-androstenediona (Δ4A) e testosterona (T) nos estrogénos estrona (E1) e estradiol (E2), respectivamente, pela aromatase. A 17β-HSD converte os hormônios menos biologicamente ativos Δ4A e E1 nos hormônios mais ativos T e E2, respectivamente. Paralelamente, a obesidade leva à hiperinsulinemia secundária à resistência à ação da insulina, que por sua vez causa uma redução na síntese hepática e nos níveis circulantes de globulina ligadora de hormônios sexuais (SHBG).

O efeito combinado do aumento da formação de estrona e testosterona, juntamente com níveis reduzidos de SHBG, leva a um aumento nas frações biodisponíveis  ou livres de E2 e T que podem se difundir para células-alvo, onde se ligam a receptores de estrogênio e andrógeno. Os efeitos dos esteroides sexuais ligando seus receptores podem variar, dependendo dos tipos de tecido, mas em alguns tecidos (por exemplo, epitélio mamário e endométrio) eles promovem a proliferação celular e inibem a apoptose (morte celular). Fig1

Muitos estudos têm mostrado que sobrepeso e obesidade estão associados com um  aumento de risco de câncer de mama na pós menopausa. Esse aumento do risco é principalmente visto em mulheres que nunca fizeram terapia de reposição hormonal e  para tumores que tem receptores para os hormônios estrógeno e progesterona. Essa mulheres têm história de ganho de peso na vida adulta (entre 18 e 50 a 60 anos).

O obesidade pode causar de 7 a 15% dos cânceres de mama:
– O aumento de 2 a 10 kg após a idade de 50 anos, aumenta o risco de câncer de mama em 30%
– O ganho de 25kg após os 18 anos aumentam o risco de câncer de mama em 45%.

A perda de peso pode ter um efeito positivo na diminuição do risco de câncer.  Há estudos que avaliaram os biomarcadores modificáveis com a perda de peso. Redução significante de estradiol (E2) é vista com a redução de peso, de forma inversa, a SHGB aumenta. Isso resulta em considerável redução do estradiol livre mesmo com uma modesta perda de peso.

Obesidade_cancer
Mecanismo pelo qual a perda de peso levaria à redução do risco de câncer de mama

Apesar das campanhas maciças para o rastreamento de câncer de mama, é válido reforçar que a decisão de fazer a mamografia deve ser compartilhada entre médico e paciente. Sem dúvida, mais do que a realização de um exame, a prevenção passa por hábitos de vida saudáveis e controle do peso.

Atualizado em 02/10/18

Referências

Obrigada por ter chegado até aqui!

Se você gostou da leitura, não deixe curtir e de compartilhar o conteúdo.

Para receber em primeira mão as publicações, você pode se increver no blog ou me acompanhar pelas redes sociais. Os links estão no rodapé dessa página.

Espero ver você mais vezes por aqui!

Um forte abraço,

Suzana

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.