Recomendações para punção de nódulos de tireoide (ATA e TI-RADS)

Atualizado em 12/10/19

“Lesões inocentes” e lesões suspeitas conforme classificações ATA e TI-RADS

Os nódulos de tireoide são cada vez mais comuns e há algumas razões para isso. Quando o paciente chega com o ultrassom de tireoide, nós devemos observar mais que o tamanho do nódulo.

Algumas características são ligadas ao maior risco de que o nódulo seja um câncer. Ao ultrassom, características anatômicas são consideradas para realizar a punção aspirativa por agulha fina (PAAF), tais como: presença de microcalcificaçõescontornos do nódulo, ecogenicidade (brilho em relação ao tecido tireoidiano normal), tamanho etc.

Por exemplo, os cistos, que são as lesões que têm apenas líquido no seu interior, são benignos por natureza e não devem ser puncionados para investigação de câncer, ainda que possam ser puncionados para esvaziar o líquido.

Já nódulos mais escuros do que o restante do tecido tireoidiano (hipoecoicos) com uma ou mais de outra característica (tais como contornos irregulares, contendo microcalcificações, entre outras), são considerados suspeitos para câncer e, a depender do tamanho, devem ser puncionados.

O que fazer antes de decidir pela punção

Em adultos, ao se diagnosticar um nódulo de tireoide, deve ser avaliada a função da glândula, isto é, se os níveis de hormônios tireoidianos no sangue estão normais.

Como vimos em um post anterior, o hormônio tireoestimulante (TSH) é o primeiro a se alterar quando há alteração nos níveis de hormônio produzidos pela tireoide (T3 e T4).  Se os níveis do hormônio TSH estiverem normais ou elevados (que sugere hipotireoidismo), o segundo passo é avaliar as características do nódulo à ultrassonografia para prosseguir ou não a investigação de câncer de tireoide através da punção do nódulo.

Um nódulo único que produz muito hormônio tireoidiano provoca redução da quantidade de TSH no sangue. Esse tipo de nódulo não precisa ser puncionado, pois já sabemos que é um nódulo benigno.

Qual o tamanho do nódulo que deve ser puncionado?

De uma forma geral, apenas nódulos maiores do que 1,0 cm (um centímetro) são candidatos para punção. Mas nem todo nódulo desse tamanho precisa ser puncionado.

Conforme o grau de suspeita, os limites de tamanho do nódulo para indicar punção podem variar, podendo chegar até 2,5 cm (dois centímetros e meio).

Existem duas principais classificações para orientar quais nódulos devem ser submetidos à punção (PAAF), que também colocam limites um pouco diferentes para indicação da punção.

Tab 1. Classificação conforme Associação Americana de Tireoide (ATA)

Suspeita para câncer Recomendação para PAAF (tamanho)
Benigno Não
Muito baixa ≥ 2,0 cm
Baixa ≥ 1,5 cm
Alta ou intermediária ≥ 1,0 cm

Essas recomendações acima foram publicadas no fim do ano de 2015. Elas não substituem o julgamento clínico, isto é, não necessariamente precisam ser seguidas à risca pelo médico que conduz a investigação, que pode indicar a punção em nódulos menores que 1,0 cm em alguns casos.

Classificação TI-RADS

Em 2017, o Colégio Americano de Radiologia (ACR) publicou uma nova classificação dos nódulos tiroidianos baseada em características ultrassonográficas – Thyroid Imaging Reporting and Data System [TI-RADS].

Os nódulos recebem pontuações em cinco categorias:

  1. composição
  2. ecogenicidade
  3. contorno
  4. margens
  5. focos ecogênicos (calcificações).

A pontuação obtida em cada categoria resulta em uma espécie de “ranking” de risco para malignidade (câncer) e a sugestão para complementar a investigação com punção aspirativa por agulha fina (PAAF). Abaixo um resumo da classificação e das recomendações:

O comitê do Colégio Americano de Radiologia não indica que sejam puncionados mais que dois nódulos por vez. Deve-se solicita a punção dos nódulos de maior pontuação, mesmo que não sejam os maiores nódulos.

Tab 2. Classificação conforme Colégio Americano de Radiologia

Classificação suspeita para câncer risco de câncer recomendação para PAAF indicação de seguimento
TI-RADS 1 Benigno 0,3% Não
TI-RADS 2 não-suspeito 1,5% Não
TI-RADS 3 Baixa 4,8% ≥ 2,5 cm ≥ 1,5 cm
TI-RADS 4 moderada 9,1% ≥ 1,5 cm ≥ 1,0 cm
TI-RADS 5 Alta 35% ≥ 1,0 cm ≥ 0,5 cm*

* PAAF para nódulos de 0,5 a 0,9 cm podem ser realizados conforme julgamento clínico

Classificação de Chammas

No Brasil, a Classificação de Chammas é ainda utilizada quando é solicitada ultrassonografia com doppler. Quanto mais periférica a vascularização (ou seja: quando o fluxo sanguíneo é predominantemente nas “bordas” e não no centro do nódulo), menor a chance de malignidade. Esse parâmetro e essa classificação não estão nas diretrizes anteriormente citadas.

Como acompanhar um nódulo na tireoide?

O seguimento sugerido (acompanhamento médico, retorno e exames) seria com intervalos não inferiores a um ano, a não ser para nódulos que já tenham o diagnóstico de câncer e que estejam em vigilância ativa (como chamamos, quando foi se optou por não fazer a cirurgia logo no início do tratamento).

Para nódulos com TI-RADS 5, a ultrassonografia deve ser feita a cada ano por até cinco anos. Já para lesões TI-RADS 4, o exame deve ser realizado nos anos um, dois, três e cinco; com a classificação TI-RADS 3, recomenda-se avaliação a cada dois anos. Ou seja: nos anos um, três e cinco. Se até o quinto ano de investigação não houver mudança no tamanho do nódulo, conclui-se que o comportamento do nódulo é benigno e o seguimento deve ser individualizado.

Havendo indicação de se prosseguir a investigação para descartar malignidade, a PAAF (punção aspirativa por agulha fina) será solicitada e seu resultado provavelmente seguirá a o sistema de classificação de Bethesda.

É necessário fazer mais algum procedimento depois da punção?

A punção tem como objeto de estudo as células aspiradas do nódulo, o que muitas vezes não é suficiente para confirmar ou descartar o câncer de tireoide. Em casos selecionados, torna-se necessária a retirada cirúrgica de todo o tumor para uma avaliação mais detalhada. Não custa reforçar que os nódulos de tireoide, na sua grande maioria, são benignos.

Mesmo nos casos duvidosos ou mesmo compatíveis com malignidade na PAAF, vem se discutindo outras formas de tratamento que não a cirurgia para cânceres de menor agressividade, modalidade chamada de vigilância ativa.

Diante de um resultado de nódulo de tireoide ao ultrassom, deve-se manter a calma e procurar um profissional habilitado para se avaliar a necessidade de punção. O diagnóstico de malignidade é o menos comum e, mesmo com esse diagnóstico, as possibilidades de cura são bastante altas com o tratamento apropriado.

Referências:

HAUGEN, B. R. et al. 2015 American Thyroid Association Management Guidelines for Adult Patients with Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer: The American Thyroid Association Guidelines Task Force on Thyroid Nodules and Differentiated Thyroid Cancer. Thyroid, v. 26, n. 1, p. 1-133, Jan 2016. ISSN 1557-907 (em inglês). doi: 10.1089/thy.2015.0020

TESSLER, F. N. et al. ACR Thyroid Imaging, Reporting and Data System (TI-RADS): White Paper of the ACR TI-RADS Committee. J Am Coll Radiol, v. 14, n. 5, p. 587-595, May 2017. ISSN 1558-349X (em inglês). DOI: https://doi.org/10.1016/j.jacr.2017.01.046

TESSLER, F. N.; MIDDLETON, W. D.; GRANT, E. G. Thyroid Imaging Reporting and Data System (TI-RADS): A User’s Guide. Radiology, v. 287, n. 3, p. 1082, 06 2018. ISSN 1527-1315(em inglês). https://doi.org/10.1148/radiol.2017171240

Obrigada por ter chegado até aqui!

Se você gostou da leitura, não deixe curtir e de compartilhar o conteúdo.

Para receber em primeira mão as publicações, você pode se increver no blog ou me acompanhar pelas redes sociais. Os links estão no rodapé dessa página.

Espero ver você mais vezes por aqui!

Um forte abraço,

Suzana

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.