Diabetes, Obesidade, pronokal

Dieta cetogênica provoca cetoacidose?

O pH significa “potência de hidrogênio”. A quantidade de íons de hidrogênio (H+) em uma solução define o pH. O pH normal do sangue é neutro, variando de 7,35 a 7,45, quando as reações orgânicas acontecem de forma otimizada.

Variações extremas no pH podem ser letais, por isso há diversos mecanismos que garantem o equilíbrio entre ácidos e bases ou equilíbrio ácido-básico (FIg 1).

Slide1
Fig 1. Variações do pH no sangue. Valores abaixo de 6,8 (acidose) e acima de 8,0 (alcalose) são incompatíveis com a vida

Um ácido é uma molécula capaz de doar íons de hidrogênio (próton) e uma base é uma molécula capaz de receber prótons. Os corpos cetônicos são compostos ácidos e têm o potencial de diminuir o pH do sangue.

Como exemplos de acidose no sangue por aumento de corpos cetônicos (Fig 2) temos cetoacidose diabética, que é considerado uma emergência médica.

corpos cetonicos
Fig 2. Corpos cetônicos resultantes da quebra de gordura

Nas dietas cetogênicas, bem como na cetoacidose diabética, há também aumento dos corpos cetônicos, porém em menor quantidade.

Uma pergunta que se pode fazer é:

Dietas cetogênicas podem causar acidose ou cetoacidose?

Para tentar responder essa pergunta um estudo avaliou a variação do pH no sangue de 20 indivíduos submetidos a um programa de emagrecimento que incluía dieta cetogênica por quatro meses.

A dieta em questão é baseada em preparações de proteínas de alto valor biológico. Cada preparação contém:

  • 15 g de proteína
  • 4 g carboidratos
  • 3 g de gordura
  • 50 mg de ômega 3
  • 90–100 kcal

Dependendo do peso ideal a ser atingido, a quantidade de sachês varia de 4 a 6 por dia. A quantidade de calorias diárias seriam de

  • 600 a 800 kcal/dia
  • pobre em carboidrato (<50g ao dia através da ingesta de vegetais)
  • pobre em gorduras (apenas 10g de azeite de oliva por dia).
  • 0,8 a 1,2 g de proteína por quilo de peso ideal.

Vários parâmetros sanguíneos foram avaliados durante o estudo.

Dos resultados principais, não foi observado diminuição o pH sanguíneo abaixo dos níveis que configuram cetoacidose. Importante destacar que pessoas com diabetes foram excluídas do estudo (Fig 3).

Slide2
Fig 3. Variação do pH em indivíduos submetidos a uma dieta cetogênica de muito baixa caloria

O ß hidroxibutirato é um dos corpos resultante da quebra da gordura foi avaliado no sangue capilar  (cetonemia)  feito pelos indivíduos durante suas atividades do seu dia a dia. A maioria dos valores obtidos pelas 460 medidas desse composto capilares estiveram abaixo de 3nmol/L (Fig 4).

Slide3
Fig 4. Plotagem dos valores das 460 medidas de cetonemia capilar

Foram avaliadas também outras substâncias que comumente se alteram durante uma cetoacidose diabética, tais como bicarbonato, cloro, sódio, potássio e encontraram diferenças marcantes entre os valores resultantes de uma dieta cetogênica e da cetoacidose diabética.

Os autores concluem que a dieta de muito baixa caloria e cetogênica em questão é segura para o tratamento de obesidade.

A redução de calorias associada à atividade física são fundamentais para o tratamento da obesidade.

Essa afirmação pode ser aplicada a pessoas sem diabetes, embora o diabetes tipo 2 (principalmente o não-insulinodependente) não seja uma condição que contraindique e possa se beneficiar desse tipo de abordagem dietética.

É importante reforçar que a dieta cetogênica é contraindicada e potencialmente muito perigosa para algumas pessoas, especialmente pelo risco de desenvolvimento de cetoacidose. É fortemente recomendável a avaliação médica caso você queira iniciar a dieta e o acompanhamento por uma equipe multiprofissional ao longo desse tipo de tratamento.

Referências

GOMEZ-ARBELAEZ, D.  et al. Acid-base safety during the course of a very low-calorie-ketogenic diet. Endocrine, v. 58, n. 1, p. 81-90, Oct 2017. ISSN 1559-0100. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/28914421 >.

HUSSAIN, T. A.  et al. Effect of low-calorie versus low-carbohydrate ketogenic diet in type 2 diabetes. Nutrition, v. 28, n. 10, p. 1016-21, Oct 2012. ISSN 1873-1244.

Obesidade, Outros temas

Avaliação da composição corporal por bioimpedância

Como se mede quantidade de gordura e músculo no corpo

A oposição à passagem de uma pequena corrente elétrica (impedância) ao longo dos tecidos do corpo é o princípio do exames de bioimpedância para avaliação da composição corporal. Sabe-se que a corrente elétrica é melhor pelos íons contidos nos fluidos. A partir desse princípio, é possível determinar a quantidade de água corporal, que é a percentagem de fluidos no corpo e geralmente é indicada em porcentagem.

Tecidos que tenham mais água e íons na sua composição, como o músculo e sangue, oferecem menor resistência (menor impedância) à passagem da corrente elétrica, o mesmo não acontece com os tecidos adiposo, pele e ossos.

Por esse princípio, o composição corporal é dividida em dois componentes:

  • massa livre de gordura, ou massa magra: inclui músculos, ossos, pele
  • massa gorda  (total menos massa magra)

Há também de se considerar que a massa muscular inclui diversos tipos de músculo:

  • músculo esquelético presente principalmente nos membros
  • outros tipos de músculo que compõem órgãos como o coração (cardíaco), intestino, aparelho respiratório etc (músculo liso) – presente principalmente no tronco

O músculo esquelético corresponde a aproximadamente 56,6% da massa magra.

Como o músculo é rico em água, um aumento de água corporal no exame de bioimpedância pode ser reflexo do aumento da massa muscular.

Outra informação útil que podem ser obtidas é o índice de sarcopenia, que é perda de musculatura esquelética dos membros (apendicular). A manutenção da massa magra é importante para qualidade de vida ao longo dos anos. O índice de sarcopenia é calculado dividindo-se a massa muscular dos quatro membros pela altura ao quadrado.

Outras informações estimadas pela bioimpedância:

Taxa metabólica basal – estimativa de quanto seria o gasto energético para manter as funções vitais do organismo em repouso. A taxa metabólica basal é diretamente proporcional ao peso e à quantidade de músculo.

Ingestão calórica diária – estima a necessidade energética (ingestão calórica) necessária para manter a taxa de metabolismo basal e gastos de atividade física. Em programas que visem redução do peso corporal, um valor menor diário deve ser utilizado para eventualmente programar uma dieta hipocalórica.

Idade Metabólica – o valor corresponde à taxa metabólica basal média de determinada idade cronológica. Se sua idade metabólica é maior do que sua atividade atual, é sinal que precisa que precisa melhora-la através de exercícios físicos que aumentem a massa muscular.

bioimpedancia_laudo_2
Exemplo de resultado de análise de composição corporal com os diversos compartimentos: massa magra, massa gorda (adiposa), massa muscular, músculo esquelético e água corporal e índice de sarcopenia

Condições que modifiquem a quantidade de água no organismo podem subestimar ou superestimar a quantidade de massa magra e, consequentemente, massa gorda.

Os aparelhos tetrapolares (eletrodos para os quatro membros) permitem a avaliação da composição corporal por segmento: membros superiores, inferiores e tronco e oferecer mais informações, como índice de sarcopenia.

bio tanita
Exemplo de bioimpedância tetrapolar

Como vimos, a quantidade de água medida é essencial para determinar a composição corporal. Portanto, alguns cuidados são necessários garantir um grau de hidratação normal e uma boa acurácia do resultado do exame, bem como evitar artefatos que modifiquem a velocidade da corrente elétrica, um preparo antes do exame torna-se necessário.

Quem não pode ou deve fazer o exame

  • Usuários de marcapasso ou outro aparelho elétrico implantado no corpo
  • Pessoas com com peças metálicas no corpo tais como placas e parafusos
  • Gravidez ou suspeita de gravidez

A avaliação sequencial da composição corporal é mais indicada que uma medida isolada. Os programas comercialmente disponíveis podem dar não só uma avaliação pontual, mas a evolução ao longo do tempo num programa de emagrecimento e também atividade física.

Conheça o preparo e agende um avaliação! 

Obesidade, Outros temas

Obesidade causa depressão? Uma resposta biológica

A presença de depressão em obesos foi mostrada por inúmeros estudos em diferentes países (Luppino e cols, 2010). A primeira explicação que vem à cabeça é que estar acima do peso deixa as pessoas psicologicamente afetadas e isso poderia deixar as pessoa deprimidas. Mas as pesquisas nesta área trazem elementos bem mais intrigantes.

A presença de depressão em obesos foi mostrada por inúmeros estudos em diferentes países

Primeiramente, os dados mostram que o deprimido também tem maior risco de se tornar obeso, o que mostra que o argumento do obeso psicologicamente fragilizado é uma explicação incompleta. Além disso, uma série de outros fatores leva a pensar numa interpretação mais complexa.

Uma análise grande, somando resultados de oito estudos (Jokela e cols., 2014), comparou obesos saudáveis (sem alterações metabólicas) e obesos não-saudáveis em relação ao risco de desenvolver depressão. Obesos saudáveis tiveram um pequeno aumento no risco para depressão, enquanto o risco em obesos não-saudáveis foi maior. Quanto mais alterações metabólicas o obeso apresentava, maior era o risco de depressão. As alterações metabólicas analisadas no estudo foram diminuição de colesterol HDL (o “colesterol bom”) e aumento em pressão arterial, triglicérides, proteína C reativa e hemoglobina glicada.

Obesos saudáveis tiveram um pequeno aumento no risco para depressão, enquanto o risco em obesos não-saudáveis foi maior. (…) Quanto mais alterações metabólicas o obeso apresentava, maior era o risco de depressão.

As alterações metabólicas listadas tem uma base biológica inflamatória, mitocondrial e de alterações hormonais (eixo HPA). Esse tipo de alterações também se mostrou associado à depressão e à obesidade em outros estudos, o que reforça a argumentação deste texto.

Em suma, sabemos que ser obeso aumenta o risco para depressão e também sabemos que há fatores biológicos que medeiam o processo.

Envie perguntas e sugestões para rafaeldesousablog@yahoo.com

Referências

Luppino FS, de Wit LM, Bouvy PF, Stijnen T, Cuijpers P, Penninx BW, Zitman FG. Overweight, obesity, and depression: a systematic review and meta-analysis of longitudinal studies.  Arch Gen Psychiatry. 2010 Mar;67(3):220-9.

Jokela M, Hamer M, Singh-Manoux A, Batty GD, Kivimäki M. Association of metabolically healthy obesity with depressive symptoms: pooled analysis of eight studies. Mol Psychiatry. 2014 Aug;19(8):910-4.